Mova-se
27 de junho de 2022
Artigos

COMO USAR A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL PARA MELHORAR A QUALIDADE DO TRANSPORTE PÚBLICO E REDUZIR A TARIFA

Por Miguel Angelo Pricinote Sabemos que o planejamento de transporte é um processo extremamente complicado, envolvendo muitos fatores e componentes…

Por Miguel Angelo Pricinote

Sabemos que o planejamento de transporte é um processo extremamente complicado, envolvendo muitos fatores e componentes cruciais, mas muitas vezes conflitantes, como por exemplo as necessidades dos usuários e os custos do sistema.

Para planejar rotas inteligentes com eficiência, o planejador não deve apenas avaliar os impactos operacionais – aumento nos custos restrições orçamentárias, regras e requisitos sindicais, necessidade de frota no período crítico, pontualidade e outros – bem como as necessidades de seus motoristas, passageiros e dos representantes das comunidades que está atendendo.

Para ajudar a tornar essa tarefa menos árdua, apresentamos esta lista útil de práticas recomendadas essenciais a serem consideradas ao planejar linhas e a rede. Ao incorporar os princípios abaixo, você pode criar rotas mais otimizadas, eficientes e equitativas para todos.

1. Equidade e Acessibilidade – Quando os planejadores têm uma melhor compreensão das necessidades de seus passageiros – e como eles chegarão e sairão de cada área de interesse em suas comunidades – isso os ajuda a construir cidades mais inclusivas, vibrantes e orientadas para o transporte. Também ajuda a progredir em direção à equidade no transporte.

2. Análise de passageiros – Além de criar rotas mais equitativas e acessíveis, outro aspecto imperativo – mas altamente desafiador – do planejamento de transporte é planejar suas rotas com base em seus níveis de passageiros. Em outras palavras, usar seus dados de passageiros para tentar combinar a “oferta” de seus passageiros com a “demanda” de sua oferta de serviços. Para fazer isso, o planejador deve ter a capacidade de analisar o número de passageiros em sua rede e fazer ajustes em suas rotas para refletir isso. As áreas com maior demanda por seus serviços devem ter rotas mais frequentes e amplo acesso aos seus serviços, e vice-versa. Para obter uma compreensão mais profunda de quais áreas de suas rotas estão apresentando níveis maiores ou menores de passageiros, mais uma vez, você precisará acessar os dados certos para tomar decisões baseadas em dados.

3. Satisfação do Passageiro – Além de tudo o que foi mencionado acima, ao planejar as rotas, o planejador deseja fazê-lo de maneira a proporcionar uma ótima experiência ao passageiro. Se não fizer isso, acabará com passageiros insatisfeitos e, portanto, quedas significativas na demanda no longo prazo. Para proporcionar aos seus passageiros uma experiência verdadeiramente satisfatória, e tornar o serviço o mais conveniente possível para eles – planejando rotas que provavelmente serão executadas no horário, minimizando assim os tempos de espera. Em teoria, isso pode parecer fácil de fazer, mas, na realidade, é muito mais fácil falar do que fazer.

4. Segurança – Outro componente importante a ter em mente ao planejar suas rotas é a segurança – tanto para seus passageiros quanto para seus motoristas. Felizmente, existem certas medidas que o planejador pode tomar para criar rotas mais seguras. Mais uma vez, é aqui que a visualização de seus dados enquanto você planeja suas rotas se torna essencial. Neste sentido, o planejamento da rede pode levar em conta fatores de segurança, como qualidade da via e do percurso, histórico de colisões e comportamento do motorista, incluindo excesso de velocidade, aceleração e frenagem repentinas e curvas fechadas. Além disso, pode até replanejar rotas de baixa pontuação para evitar áreas de risco e aumentar a segurança, avaliar o impacto do redirecionamento em toda a rede e apoiar as autoridades de trânsito na identificação e correção de perigos nas vias.

5. Sustentabilidade e Eficiência do Veículo – No final das contas, uma das razões pelas quais o transporte público é tão imperativo é sua capacidade de reduzir significativamente as emissões de CO2. Assim, ao planejar rotas mais otimizadas e atraentes por meio dos princípios acima — rotas que reflitam melhor as necessidades, preferências e estilos de vida de seus passageiros — você também está ajudando a contribuir para um futuro mais sustentável.

6. Tenha os dados certos ao seu alcance – gerenciamento de motoristas e veículos – Para entender melhor o que realmente está acontecendo com a frota, motoristas e passageiros, o planejador precisa de amplo acesso a uma infinidade de dados, que podem ter várias formas e formatos. Por outro lado, o planejador precisará de acesso frequente aos seus registros detalhados de motoristas e veículos – incluindo as especificações técnicas de seus veículos, bem como os detalhes de contato de seus motoristas e informações sobre seu licenciamento, filiação sindical, preferências de rota, eventos programados e muito mais. Idealmente, desejará utilizar uma plataforma que possa armazenar todos esses dados vitais em um banco de dados centralizado. Da mesma forma, o planejador também precisará da capacidade de analisar e exportar um alto volume de dados e relatórios — em KPIs como custos, desempenho e outros — e compartilhar esses relatórios com os principais interessados ​​em sua organização. Com acesso fácil e direto aos dados certos, o sistema obterá visibilidade e insights muito necessários, que podem ser aproveitados para melhorar o desempenho, reduzir custos e aumentar a satisfação de motoristas e passageiros.

7. Alocação e validações em tempo real – Alocação diária – As operações acontecem na rua e em tempo real — e quando ocorrem alterações ou problemas de última hora, o planejador precisa agir rápido. Esteja ele tentando rastrear o status e a localização de seus motoristas e veículos em tempo real, vendo quais turnos são cobertos ou não, ou tentando garantir que cada motorista seja totalmente capaz de trabalhar em seu turno designado – tentando fazer tudo isso manualmente não é apenas incrivelmente complicado, é praticamente impossível. O planejador precisaria de um software operacional que permita visualizar todas essas informações de uma só vez, para que você possa pensar no futuro e fazer alterações proativas imediatamente. Ao mesmo tempo, deve fornecer a você a tranquilidade e a tranquilidade de saber que suas alterações estão em total conformidade com todas as regras e regulamentos.

8. Folha de pagamento dinâmica – Manter o controle das horas de trabalho e compensação para centenas, senão milhares de motoristas é um processo altamente complicado – e tentar fazer tudo isso manualmente é extremamente difícil. Não só é demorado e trabalhoso, mas também, ao gerenciar um volume tão grande de dados de folha de pagamento, erros podem acontecer. Com muitos sistemas hoje, tentar corrigir até mesmo a menor mudança ou acidente – como um motorista sendo compensado em excesso ou insuficiente por meros 30 minutos – resultando em uma grande perda de tempo, esforço e burocracia. Para garantir que o sistema esteja operando com a máxima eficiência, o planejador precisaria de um sistema de folha de pagamento que acompanhe as horas dos motoristas em tempo real — enquanto oferece a flexibilidade de fazer alterações e ajustes manuais imediatamente. Tudo isso ajuda a reduzir o risco de erro e garantir a precisão da folha de pagamento, para que você minimize o esforço e o incômodo, ao mesmo tempo em que aumenta a eficiência e a satisfação dos motoristas e sindicatos.

 9. A capacidade de planejar com antecedência – Planejamento de Longo Prazo – Sabe-se que uma grande parte de suas operações do dia-a-dia acontecem em tempo real — mas não precisa ser assim. E se, em vez disso, o planejador tivesse a capacidade de planejar a longo prazo, construindo todos os aspectos de suas listas com antecedência, tudo em questão de segundos? Ao planejar mais de suas operações com antecedência, sua organização gastará menos tempo apagando incêndios de última hora e mais tempo focado em tomar decisões baseadas em dados e planejar proativamente o que está por vir.

10. Apoiar as necessidades e preferências individuais dos motoristas. Por último, mas certamente não menos importante, para que suas operações funcionem da maneira mais suave e eficiente possível, o planejador deve dar mais ênfase ao atendimento das necessidades e preferências de seus heróis desconhecidos: seus motoristas. No momento, muitas organizações estão enfrentando uma escassez de motoristas – um problema crescente em todo o mundo que leva a experiências ruins de todos os lados. Os motoristas estão sofrendo maior pressão e mais horas para compensar a falta de recursos, levando ao esgotamento e ao absenteísmo. Isso resulta em passageiros que enfrentam tempos de espera mais longos e ônibus lotados, resultando em uma experiência ruim para os passageiros e na perda de passageiros. Um reforça o outro em um ciclo contínuo e auto perpetuante. Um ótimo lugar para começar é pedir suas informações diretas sobre rotas, turnos e tipos de pausa preferidos, bem como seu método de comunicação preferido, necessidades de férias e outros — e então incorporar essas informações para criar horários e escalas para aumentar a satisfação, e promover um melhor equilíbrio entre vida profissional e pessoal.

Em última análise, tudo isso se traduz em um sistema de transporte moderno e proativo eliminando riscos e caos de última hora, economizando tempo e custos significativos e aumentando a eficiência geral e a satisfação entre seus motoristas e passageiros.



Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com (*).

Fechar

Preencha os campos abaixo para iniciar a conversa no WhatsApp.

WhatsApp Voltar ao topo