Mova-se
4 de fevereiro de 2022
Mobilidade

Transporte por aplicativo é um dos vilões da inflação em 2021

Estudo do Mova-se Fórum de Mobilidade mostra que o transporte por aplicativos é o item que mais pesou no bolso…

Estudo do Mova-se Fórum de Mobilidade mostra que o transporte por aplicativos é o item que mais pesou no bolso do goianiense no último ano, ganhando até da alimentação

O item Transportes foi o grande responsável pelo fato da inflação em 2021 ter sido de dois dígitos, uma vez que teve um impacto de 21,92% na inflação, no Brasil e de 26,83%, em Goiânia. Isso significou um acréscimo de 2,21% na inflação nacional e 2,77% na inflação goianiense. Fazendo com que o transporte tenha sido o maior vilão da inflação em 2021.

Um estudo feito pelo Mova-se Fórum de Mobilidade mostra que o encarecimento dos combustíveis e até de produtos que como os pneus, que tem o preço influenciado pelo dólar e o mercado internacional, foi uma das razões para que o transporte tenha apresentado tanta variação nos últimos meses. De acordo com Miguel Ângelo, coordenador do Mova-se, assim que surgiram no mercado, os transportes por aplicativo acabaram criando uma grande bolha no momento em que as empresas de tecnologia aproveitaram uma situação de retomada econômica. “A baixa no valor do petróleo e abundância de mão-de-obra formaram o cenário ideal para explosão deste novo serviço. O transporte por aplicativo invadiu a cidade sem se preocupar com as regulações vigentes. Mas, no ano passado a situação foi revertida: pandemia; lockdown, recessão econômica, alta do dólar e do preço do petróleo. Com isso o milagre dos aplicativos foi virando um grande pesadelo. Mas qual será o futuro desta solução de deslocamento”, explica Miguel.

Tal fenômeno pode ser explicado pela redução no número de motoristas por aplicativo, uma vez que a cada dia parece valer menos a pena trabalhar com os apps. Isto pois, 53% do lucro dos trabalhadores é gasto com combustível para trabalhar. De janeiro a dezembro de 2021, os combustíveis ficaram em média 47%, segundo dados do IPCA/IBGE, e em Goiânia esse impacto foi maior que no restante do país.

Outro ponto sensível em relação aos preços dos aplicativos é que o mercado de aplicativos está sempre buscando o equilíbrio entre oferta e demanda, e que a saída de motoristas está puxando a oferta de serviço para baixo fazendo que, nos horários de tarifa dinâmicas, o preço dispare. Ato frequentemente observado em Goiânia, em conformidade com informações do Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada), divulgados em outubro de 2021, através de uma projeção realizada com dados do IBGE (PNAD Continua).

Mais informações sobre a pesquisa

Dentro do item TRANSPORTES os elementos que mais influenciaram o aumento da inflação em Goiânia:

  1. Transporte por aplicativo – aumento de 56,47%
  2. Etanol – aumento de 54,04%
  3. Gasolina – aumento de 46,72%
  4. Óleo Diesel – aumento de 46,63%
  5. Pneu – aumento de 38,27%

  Já entre os elementos que mais seguraram o aumento da inflação pode-se destacar:

  1. Congelamento da tarifa de ônibus na RMTC
  2. Congelamento da tarifa de táxi
  3. Não aumento dos preços do transporte escolar
  4. Não aumento dos preços dos estacionamentos
  5. Congelamento do valor dos pedágios

O impacto do transporte foi 2,64% maior em Goiânia do que no Brasil. Neste sentido os pontos que mais pesaram na vida do goianiense em relação ao resto do Brasil foram:

  1. 22,72% a mais em relação ao transporte por aplicativo
  2. 9,33% a mais no custo de pneus
  3. 9,08% a mais no conserto de automóveis

Já os pontos que seguraram a pressão inflacionária em Goiânia, pode-se destacar:

  1. 15,98% menor em relação ao custo do óleo lubrificante
  2. 8,48% menor em relação ao seguro voluntário de veículos
  3. 8,19% menor em relação ao valor do Etanol


Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com (*).

Fechar

Preencha os campos abaixo para iniciar a conversa no WhatsApp.

WhatsApp Voltar ao topo